segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Estágios Jogo de Regras Jean Piaget

|| ||
Os jogos infantis foram estudados por Piaget pois, segundo ele, estes são admiráveis instituições sociais, comportando, a exemplo do jogo de bolinhas de gude, sistemas bastante complexos de regras. A análise reflexiva de Kant, a sociologia de Durkheim ou a psicologia individualista de Bovet concordam que toda moral consiste de um sistema de regras, as divergências aparecem quando se procura explicitar como a consciência respeita estas regras. A análise desse "como" é tema das investigações Piaget.
Estágios Jogo de Regras Jean Piaget






A estratégia utilizada por Piaget consistiu da observação de crianças durante a realização de jogos infantis (bolinhas de gude), pois as regras destes jogos são elaboradas pelas próprias crianças, diferentemente do restante das regras morais que a criança aprende a respeitar e que lhes são transmitidas prontas pelos adultos. Ainda, como em todas as realidades ditas morais, as regras do jogo de bolinhas se transmitem de gerações a gerações e se mantém unicamente graças ao respeito que os indivíduos tem por elas.

O interrogatório feito com as crianças investiga a respeito:
do conhecimento das regras - a criança deve ensinar o pesquisador a jogar, explicando verbalmente a ele as regras que adota, durante um jogo;
da consciência da regra - começa-se por perguntar à criança se ela poderia inventar uma nova regra, uma vez inventada pergunta-se: se a regra é justa? se é verdadeira? se é como as outras? etc; supondo que a criança negue tudo isto, faz-se a seguinte pergunta: "Quando você for grande suponha que terá contado sua regra para muitas crianças: todas jogarão talvez com ela e todas terão esquecido as antigas regras. Então qual será mais justa, sua regra que todos conhecerão, ou as antigas que todos terão esquecido?";
da origem das regras - jogou-se sempre como hoje? as regras foram inventadas pelas crianças ou impostas pelos pais e adultos em geral?

Do ponto de vista da prática das regras, Piaget identificou quatro estágios sucessivos.

Estágio motor e individual (de 0 a 2 anos), há apenas regras motoras, as bolinhas são manipuladas em função do desejo e dos hábitos, donde nada há de coletivo neste estágio.

O segundo estágio pode ser chamado egocêntrico (de 2 a 5 anos), neste a criança recebe do exterior o exemplo das regras já codificadas, mas apesar de imitá-los ela ainda joga sozinha (não se preocupa com os parceiros, nem mesmo procura vencê-los) sem cuidar da codificação das regras, uma vez que as mesmas não precisam ser compartilhadas.

O terceiro estágio, que aparece por volta dos sete ou oito anos, é chamado de estágio da cooperação nascente. Neste aparece a necessidade do controle mútuo e da unificação das regras, já que cada jogador procurará vencer seus parceiros. Mas ainda não há concordância sobre as regras gerais e cada um dá, quando interrogado, informações diferentes sobre as mesmas.

Finalmente, aos onze-doze anos aparece o quarto estágio. Neste há a codificação das regras. As partidas passam a ser regulamentadas com minúcia, e as regras a serem seguidas são conhecidas por todos.

Quanto a consciência da regra Piaget (1977) percebe outros três estágios que aparecem cronologicamente relacionados aos estágios percebidos quanto a prática da regra:
o primeiro deles vai até o decorrer da fase egocêntrica (24 a 30 meses de vida)- neste a regra ainda não é coercitiva, porque é puramente motora e é suportada, como que inconscientemente, a título de exemplo interessante apenas e não de realidade obrigatória;
no segundo estágio (apogeu do egocentrismo e primeira metade do estágio da cooperação - dois até 8 anos) a regra é considerada como sagrada e intangível, ela tem origem nos adultos, donde a sua essência é externa e, portanto, qualquer modificação no teor da regra é considerada pela criança como uma transgressão;
por fim, no terceiro estágio, a regra é considerada como uma lei criada pelo consentimento mútuo, cujo respeito é obrigatório se se deseja ser leal, mas é possível, todavia, transformá-la, à vontade, desde que haja o consenso geral.

Nos segundo e terceiro estágios existem dois níveis diferentes de respeito às regras: no primeiro deles a regra é exterior ao indivíduo e por conseqüência sagrada depois pouco a pouco aparece como consciência autônoma.

Piaget observou claramente que a consciência e a prática da regra evoluem com a idade, ele tentou explicar melhor esta evolução identificando se tais mudanças eram de natureza ou de grau. "Há, na criança, atitudes e crenças que o desenvolvimento intelectual eliminará, na medida do possível há outras que assumirão sempre maior importância; e, das primeiras às segundas, não há filiação simples, mas antagonismo parcial..." (1977:73), na verdade em dosagens diferentes os dois grupos de atitudes encontram-se nas crianças e nos adultos. Mas toda diferença de dosagem é uma diferença de qualidade global, donde, a partição do desenvolvimento psicológico em estágios é arbitrária. A autonomia não pode ser caracterizada como um estágio definido. Um indivíduo pode ter atingindo a autonomia no que se refere a prática de um determinado grupo de regras mas permanecer heterônomo com referência a outro grupo num outro plano de consciência e reflexão.

Edla Ramos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...